Diferenças entre edições de "Fonte:Matthias F. Cowley:Obedience:Talks on Doctrine:160-161:A verdadeira obediência aos mandamentos do Senhor é uma indicação de coragem moral"

m (Robô: Substituição de texto automática (-{{Fonte}} +{{FairMormon}}))
 
Linha 1: Linha 1:
{{Fonte}}
+
{{FairMormon}}
 
<onlyinclude>
 
<onlyinclude>
 
==Cowley: "A verdadeira obediência aos mandamentos do Senhor é uma indicação de coragem moral"==
 
==Cowley: "A verdadeira obediência aos mandamentos do Senhor é uma indicação de coragem moral"==

Edição atual desde as 19h47min de 29 de junho de 2017

Índice

Cowley: "A verdadeira obediência aos mandamentos do Senhor é uma indicação de coragem moral"

Matthias F. Cowley:

"Obedecer é melhor do que sacrifício, e ouvir do que a gordura dos carneiros. "(I Samuel, xv: 22.) Em uma era do mundo em que a independência é o orgulhoso orgulho das nações, a obediência é, por idéias equivocadas de liberdade , Considerado uma marca de humilhação, ao leitor direi, na realidade, que a obediência verdadeira aos mandamentos do Senhor é uma indicação de coragem moral, de união e de poder.Não é a obediência cega que é referida e mantida, Caracterizou os antigos videntes e santos que, como o Messias, estavam prontos a dizer por palavra e por obra: "Eu não vim para fazer a minha vontade, mas a vontade de meu Pai que me enviou". Os Santos dos Últimos Dias são creditados Sendo obediente e submissa à autoridade, sendo este fato freqüentemente usado por seus oponentes como ocasião de reprovação. Aqueles que assim o usam certamente devem esquecer que Deus requer obediência, que a melhor incorporação deste princípio, a mais humilde e ceder à A vontade divina, era o ser melhor e mais puro que jamais habitou Mortalidade, isto é, o Senhor Jesus Cristo; Aquele em cuja boca não se encontrou engano; Que era perfeito e sem defeito em todas as caminhadas da vida. Enquanto Ele era obediente à vontade de Seu Pai e humilde até o extremo, Ele era independente da influência e persuasão dos homens ímpios. O status dos Santos dos Últimos Dias é conforme a este exemplo. São obedientes à consciência, às convicções do direito, à autoridade divina e a Deus, em quem confiam. Embora submissos, seus perseguidores os consideraram igualmente indiferentes às ordens dos homens maus, quer sejam altas ou baixas. Homens nas fábricas do velho mundo, trabalhando lado a lado no tear do tecelão, no poço de carvão ou em qualquer outro lugar, seguindo as várias vocações da vida - nesta condição o Evangelho pregado pelos anciãos de Israel chegou até eles. Da mesma forma, muitos deles receberam convicções da verdade. Eles disseram: "Esta é a verdade, eu devo obedecê-la ou ficar condenada". Outras pessoas disseram: "É verdade, mas se eu obedecer, será condenado ao ostracismo, talvez perca meu emprego e seja um pária da casa de meu pai. Melhor que eu rejeite a verdade e viva em paz, que tomar sobre mim esta cruz de obediência à verdade impopular. "Os corajosos obedecem ao Evangelho, sofrem perseguição, provam-se homens e alcançarão a vida eterna. Escravos de seu próprio medo do clamor popular e dos poderes invisíveis das trevas que levam os homens a rejeitarem o plano da salvação. Da primeira classe chamada estão os Santos dos Últimos Dias, uma multidão de homens e mulheres que deixaram o lar, Sofreram a perseguição até a morte, a privação e o sofrimento em todas as formas, redimiram um deserto e construíram uma comunidade tão frutífera com educação, economia e empreendimento que qualquer nação sob o sol poderia orgulhar-se deles .A sua obediência e coragem moral que legam à sua posteridade é um legado melhor do que os diamantes ou as honras e louvor de um mundo caído. Eles olham para trás para seus associados na idade adulta que, por medo, rejeitou a verdade, um E encontrar estes, vivos ou mortos, na maioria dos casos não honrado e desconhecido. A obediência prestada pelos santos dos últimos dias à autoridade do sacerdócio não é assegurada em virtude de qualquer obrigação solene assumida pelo aderente para obedecer ao dito de seus superiores no cargo; Mas sobre a natureza do Evangelho, que garante a todo adepto a companhia do Espírito Santo, e este Espírito assegura a cada indivíduo fiel um testemunho vivo sobre a verdade ou a falsidade de cada proposição apresentada para sua consideração. "Por um espírito temos acesso ao Pai." (Ef 2,2) Para que, como todos os homens e mulheres que abraçam o Evangelho têm direito a um testemunho individual da verdade, o mesmo espírito guia em toda a verdade revela as coisas do Pai e dá a inspiração essencial para preservar a humanidade de um cego Obediência a princípios errôneos e falsos guias. A declaração do Salvador, registrada em São João VII: 17, cobre o solo com a mais ampla luz: "Se alguém quiser fazer a Sua vontade, conhecerá a doutrina, seja ela de Deus ou se eu falar de mim mesmo . " Isso assegura a todo verdadeiro santo, se é fiel, proteção contra a impostura, o abuso de poder e as falsas decisões de conselhos artificiais. Em [p. 162], a Igreja de Cristo distingue-se de todos os outros sistemas e instituições. Ele prometeu guiar e dirigir, e que Ele "não faz nada, mas revela Seus segredos para Seus servos, os profetas". Isso não implica a infalibilidade do homem, mas implica a promessa de que nenhum homem ou conselho de homens que estiverem à frente da igreja tenha o poder de conduzir os santos extraviados. Com esta garantia, então, o povo de Deus em cada dispensação tem sido justificado em tornar obediência absoluta mas inteligente na direção dos santos profetas. É um fato inegável na história dos santos que a obediência a tudo o que veio, seja por escrito ou verbalmente, a partir da presidência da igreja, foi atendido com bons resultados; Por outro lado, aquele que se opôs a tal conselho, sem arrependimento, foi seguido com evidência de condenação.[1]

Notas

  1. Matthias F. Cowley, “Obedience," in Talks on Doctrine, pp. 160–61.